Câmara aprova política de bem-estar para os profissionais da educação; Mariana Carvalho é uma das autoras


A Câmara dos Deputados aprovou o Projeto de Lei 1540/21 que cria a política de bem-estar para os profissionais da educação. A proposta é assinada por deputados de diversos partidos. O texto define aspectos gerais, diretrizes e objetivos da política de qualidade de vida no trabalho e valorização dos profissionais. Os eixos principais serão a promoção da saúde integral, desenvolvimento pessoal e profissional e práticas de gestão de trabalho.

A deputada Mariana Carvalho é uma das autoras da proposta. Ela destaca que o PL é  considerado importante para o momento de crise provocado pela pandemia. Isso porque os profissionais de educação viveram um momento completamente diferente.

Com a pandemia, houve um aumento da carga de trabalho e muitos professores precisaram se adaptar ao formato online, sem a capacitação e os recursos necessários. Esses fatores, aliados ao novo formato de convivência imposto pela Covid-19, contribuíram para gerar problemas na saúde mental dos profissionais da educação.

Estudos comprovam que houve um aumento de 72% nos casos de ansiedade, depressão e estresse.


Entre diversos pontos, a política de bem-estar prevista na proposta prevê que sejam adotadas ações voltadas para a saúde integral e a prevenção do adoecimento, além de práticas que promovam o bem-estar no trabalho de maneira humanizada. 

A fim de permitir a medição dos resultados nas vivências dos profissionais de educação no ambiente de trabalho, deverão ser elaborados planos que contenham indicadores de gestão atualizados anualmente e instrumentos de avaliação das metas, com publicação de relatório ao final da gestão do Executivo. Deverá ainda haver acompanhamento de dados sobre falta ao trabalho, readaptação funcional e acidentes de trabalho, entre outros aspectos.

Posts Recentes